Felicidade....
Essa palavra é chave na mão de muitos palestrantes motivacionais, é chave na mão de muitos religiosos que buscam fazer ver sempre o lado positivo das coisas, é chave na mão de politicos profissionais que buscam ofuscar e embaçar cada vez as medidas sempre provisórias que o sistema politico brasileiro é escravo...  até na Constituição Federal do Brasil está escrito assim:

 Art. 6º São direitos sociais, essenciais à busca da felicidade, a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição.  

Leia um negócio desse e pense na realidade que 90% do povo brasileiro vive... é verdade?...parece verdade?...nós queríamos que fosse!
Cada dia que passa acordo e vejo que o Brasil enquanto sistema politico, gestão petista e mesmo pmdebista ou tucana ou quem quer que seja...estaríamos do mesmo jeito...nesta ditadura que as "politicas sociais"de bolsas fazem do Brasil um País penoso...no qual o povo que aqui habita é tratado como aquele enteado maltratado pelo mau padrasto de forma proposital... isso é como grande parte brasileiro sente..paternalismo aqui existe..existe sim...mas o pai não só dá..ele ensina a pescar...caçar..e desse modo acostuma de forma mimada seu povo... ah e a felicidade..
Minha pergunta é direta...você que está lendo agora...brasileiro...assalariado minimo...o artigo aqui acima que são direitos sociais tudo o que descrito no artigo...e aí..és feliz? se sim..com certeza você deve ter pensado na sua familia, filhos, coisas boas que passastes aqui neste País...tudo isso é válido..mas o governo federal te ajuda a ser feliz?..
Se respondeu não...deve existir com certeza uma angústia de pensar o potencial que este País tem e não tens força para fazer com que essa realidade mude...sei como é isso..é fato...
O mundo inteiro diz que o povo brasileiro é um povo sorridente...e Feliz.. Será?..não creio...pois uma andorinha apenas não faz verão...felicidade é mútua quando nossos representantes nos ajudam a chegar lá..quando não o fazem, motivam o povo a lutar sozinho..pela sua própria sorte...correndo atras de trabalho sem encontrar..correndo atras de qualidade de vida e não encontra...e com isso..correndo atras de sua felicidade sem ser correspondido... 
Até...Feliz povo brasileiro!
@MAGAIVERLUIZ 
Democracia....
Ouvi, hoje pela manhã, como de costume, o noticiário de rádio da qual ouço todos os dias...O editorial do jornal falava sobre democracia, e depois de ouvir aquele belíssimo texto sobre o quão é importante o povo deixar o governo trabalhar a democracia, fiquei a me perguntar.... onde está a democracia aqui no Brasil...e fundamentalmente no Pará?... e ainda mais..onde está a democracia do País em relação ao Norte e Nordeste?
Quando se fala em democracia, a primeira coisa que vem a cabeça é a vontade do povo, vontade essa que faz da sociedade a detentora do poder, pelo menos em tese...mas...não é pelo menos..é em tese mesmo...
Ao Povo, só resta o principio do voto, se democracia em sua totalidade for isso, até sou de acordo, mas essa democracia que penso é a detentora de uma prevalência da qual todas as regiões sejam contempladas com o de melhor que o governo tem a oferecer...
Neste imenso País, pra mim dividido, quando se deixa mineradoras levarem grande parte dos minerais para o exterior deixando valores irrisórios para o Pará forjado de imposto, não se faz democracia. A vontade do povo nortista/amazônida é a de que tudo que seja explorado por essas mineradoras tenha um custo, e esse custo são cobranças de impostos, mas impostos que venham a contribuir com o Estado da qual se originam as explorações, de modo que haja o crescimento econômico da Amazônia.
A doação dos territórios de exploração mineral na Amazônia, vestido de incentivos fiscais, enriquecem apenas essas empresas e empobrecem a sociedade Amazônida, pois o lucro que gera essas empresas não ficam aqui, vão ao exterior.
Essas formas de trato com o povo amazônida me fazem pensar na divisão deste país em Amazônia, composta pelos estados do Norte e Nordeste, enquanto o Brasil com as demais regiões, isso porque as decisões tomadas quanto ao nosso território e o que devemos fazer com ele, explorando e gerando economia forte, devem ser decisões tomadas aqui, a voz da Amazônia não é ouvida nesta democracia que só escuta as propostas e imposições ditadas pelo eixo "rico" do Brasil, quando o amazônida puder efetivamente tomar decisões sobre o que deve ou não fazer na sua região talvez chegue luz elétrica em localidades ao lado da hidrelétrica de Tucuruí por exemplo..
@MAGAIVERLUIZ           
Fica muito claro para mim quando as formas de tratamento do Brasil, em relação ao Norte, são totalmente desconexas com a realidade em que vive a sociedade amazônida.
Alguns aspectos fundamentais para o que defendo como auto-suficiência da Amazônia se fundamentam quando o Norte figura como o segundo maior produtor de minério de ferro do Brasil, em primeiro o Estado de Minas Gerais, com um agravante, o Estado do Pará vai figurar a partir de 2017 como o maior produtor deste minério, pois a mineradora que explora esse minério em Carajás vai abrir uma frente de produção que transformará Carajás como a maior produtora de minério de ferro do mundo, isso se estabelece porque esse projeto, de inicio, já entrará produzindo mais de 90 milhões de toneladas do mineral.
Leva-se em consideração que o este projeto, que já está em processo de construção, será mais custoso que a tão polemica hidrelétrica de Belo Monte, cerca de 30% a mais que a barragem. 
O investimento que o Pará, que o Norte recebe de todo os lucros e impostos que deveriam figurar como parte integrante da politica governamental, praticamente inexistem, pois a forma de fazer politica para o Norte é apenas exploratória.
Numa entrevista que deu ao Valor, o geólogo Breno Augusto dos Santos, o primeiro a identificar o minério de ferro de Carajás em 31 de julho de 1967 (cujos 46 anos da descoberta motivaram o interesse do jornal paulista), observou: “Se Carajás fosse na China, na Coreia ou na Alemanha, de lá estariam saindo automóveis, locomotivas ou computadores.”
Logo, essa falta de interesse com o Norte, com a Amazônia e com o nordeste, me faz pensar na maneira como se deveria estar tratando esta região, região rica e que aumenta a renda apenas dos ricos que vivem no centro-sul.
Portanto, defendo uma separação da Amazônia e do Nordeste frente ao Brasil, pois a auto-suficiência, num território rico e fértil, me faz pensar em ser feliz separado do resto do Brasil.
@MAGAIVERLUIZ   
mais informações em detalhes: http://www.epochtimes.com.br/carajas-e-seu-minerio-de-ferro-sao-da-china-o-buraco-que-fica-e-do-brasil/#.VFlCy_nF_K8   
Há muito tempo na história deste imenso País não se discutia algo tão importante para a sobrevivência de uma nação ou de um povo...A separação territorial.
A história não pode ser ignorada, já dizia meu avô Pêpê, e lembro que a falta de memória ou a "forçação" de um esquecimento do que foram as revoltas que buscavam separar os (hoje) Estados do Norte e Nordeste do Brasil, fazem com que nós, nortistas e nordestinos, soframos das mais diversas formas de preconceito e da falta de olhar do Governo "Brasileiro" para a região mais importante deste País, a Amazônia.
É algo histórico! Os Estados do sul e sudeste do Brasil sempre foram o Brasil, desde a colonização e isso é fato concretizado pela forma como a colonia brasileira se estabeleceu por aquelas bandas. Enquanto que, o Norte e parte do nordeste (do Amazonas ao Piauí), compreendiam um território administrativo de Portugal, não existindo nenhuma ligação com o Brasil, as relações sociais e economicas se davam do Grão Pará e Maranhão à Portugal, isso ocorreu durante os séculos da colonização, até a forçada anexação do Grão Pará e Maranhão ao Brasil em 1823.
Diante deste breve histórico, percebemos que a identidade do Povo Nortista (falo nortista porque moro no Pará) é totalmente formada por uma autonomia e auto-suficiência não dependente dos eixo centro sul do País, e isso reflete hoje, na maneira que se propaga as imagens dos nortistas e nordestinos no resto do Brasil (sul e sudeste). 
Então, a formação da identidade do Brasil não condiz com a formação da identidade do Povo Nortista, pois foram colonizações diferentes, por um mesmo colonizador. Logo... quando se fala em separação hoje, no século XXI, onde pensei estar ultrapassado esse assunto no Brasil, vejo e sempre percebi isso, que o Brasil é uma unidade nacional feita na "marra" ás custas de D. Pedro II que forçou essa união identitária inexistente... e que essa separação não existe no papel, mas existe no povo..no dia a dia...
Prego a separação do Norte, e agora Nordeste do Brasil, por conta de tudo o que foi vivido historicamente por estes povos... Ao Brasil compete um território maior que o continente Europeu, e se a Europa ainda está em processo de fragmentação com províncias pedindo a separação, porque não dividir este imenso, e "inadmistravél" Brasil...?
Por fim...fico triste em saber que o último presidente Cabano teve a oportunidade de tornar autônomo estas bandas..e não fez quando podia... preste atenção neste trecho...

"Aconteceu que, naquele almoço, foi sugerido a Eduardo Angelim a idéia de promover a separação da Amazônia do Império Brasileiro, e que para fazê-lo poderia contar com o apoio de nações estrangeiras, [...] E temos de convir que, naquela ocasião, dada a fragilidade do Império Brasileiro, qualquer tentativa de secessão do mesmo teria logrado êxito, se para isso contasse com o apoio de uma nação estrangeira, tal como a Inglaterra, a França ou os Estado Unidos. Não teria havido resistência das populações nativas à separação e o Governo Regencial, a braços com numerosas sedições, não teria tido condições de enfrentar forças estrangeiras bem armadas, melhor municiada e treinadas e numericamente superiores. A secessão se teria feito sem muitos danos." 
                                                               (Ítala Bezerra da Silva, Cabanagem: Uma luta perdida.)

Portanto, tivemos a oportunidade, e não o fizemos, hoje sofremos as consequências, talvez só uma nova Cabanagem possa mudar nossos destinos...

@MAGAIVERLUIZ      
foto: seuhistory.com
O museu de Ankara, na Turquia, guarda entre seus grandes tesouros um documento antiquíssimo, com mais de 1500 anos de registro. O livro em questão contém ummisterioso texto, conhecido como o Evangelho Apócrifo, ou o Evangelho de Barnabé.
Escrito em aramaico, o livro revela um relato bastante diferente dos Evangelhos narrados nos Novo e Antigo Testamentos. Na verdade, sua história descreve Jesus como um profeta a mais e ignora seu caráter divino e definitivo. De acordo com o documento, Jesus não teria sido crucificado, e sim Judas Iscariotes, contradizendo a ideia da ressureição dos Evangelhos Canônicos. O texto também afirma que Jesus teria ascendido aos céus vivo e cita, em uma passagem, que o Mestre se referia a Paulo como “o impostor”.
Entre algumas das revelações encontradas no documento está uma profecia de Jesus sobre a chegada de Maomé, que fundaria o Islamismo 700 anos depois, além da previsão da chegada do último Messias islâmico, fato que ainda não teria ocorrido até os dias atuais. Muitos acreditam que os relatos do Evangelho de Barnabé com os fundamentos do Islã seriam a razão pela qual o Vaticano tentou ocultar o livro durante tantos anos.
Fonte: espectador.com